VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Matérias: / Orquídeas / Como cuidar das orquídeas após a floração
haste de orquídeas

Matéria: Como cuidar das orquídeas após a floração

Autor - Fonte: Equipe Floresbella

A maior parte das orquídeas floresce apenas uma vez ao ano e suas hastes não voltam a dar flores após o término da floração original, por isso devemos saber qual a espécie que estamos cultivando, pois são muitas as espécies da família orquidácea, dendobriuns, oncidiuns, os cimbydiuns, catleyas, phalaenopsis, phafilodendruns, tolumnia enfim. Mas são sobre a espécie mais apaixonante que nos traz dúvidas de como cuidar das orquídeas após a floração.

Elas são chamadas de Phalaenopsis, as belas Phals. O que fazer com a haste quando a floração dela acaba.
Esta espécie costuma gerar uma nova floração na mesma haste e algumas orquídeas, quando bem cuidadas, passam vár
os meses florescendo assim.

Após a última flor da haste murchar e cair, a haste poderá se manter viva, isso significa que a próxima florada acontecerá nesta haste, ou, ela pode simplesmente secar, o que no ano seguinte na mesma época da floração, uma nova haste será formada para surgir novas flores.

Pode também acontecer da haste ficar ativa, surgindo daí novas ramificações a partir das gemas. Elas produzirão uma nova floração com um menor número de flores que a original, porque a floração requer muito da planta, podendo, inclusive, debilitá-la e até mesmo fazê-la morrer. Normalmente, na natureza, existe um período de descanso entre uma floração e outra.

A orquídea pode produzir um keiki (significa bebê, em havaiano) a partir da haste floral antiga. Neste caso, o pequeno broto desenvolverá raízes e poderá ser destacado da planta mãe, produzindo sua própria floração no futuro.
É muito importante saber conhecer cada espécie de para saber como cuidar das orquídeas após a floração, porque muitas vezes, ela gastou muita energia e observamos que a orquídea não está bem, seja pela aparência das folhas, seja pela aparência das raízes. Neste caso, é importante cortar a haste por completo, de modo a impedir uma nova floração logo em seguida, pois se a deixarmos intacta, somente debilitará ainda mais a planta.

Cortar a haste por completo é uma forma de dar um período de descanso à orquídea e proporcionar uma nova e revigorada floração no ano seguinte. Para tanto, corta-se a haste rente à base e, na época apropriada, uma nova haste floral surgirá carregada de flores organizadas em fileiras paralelas e simétricas – isso raramente ocorre nas florações secundárias.

No entanto, caso a intenção seja manter a casa florida por mais tempo, é possível realizar procedimentos que estimulem o reflorescer de uma haste antiga: preservar a haste e esperar uma eventual floração é um deles, outro que visa acelerar o processo é cortar a haste na altura da terceira gema, a saliência, contada de baixo para cima.

É importante lembrar, contudo, que o corte na altura do terceiro nó não garante uma nova floração. Pode ser que a orquídea emita um ou mais keikis, que, em vez disso, ela emita hastes florais secundárias ou, ainda, pode ser que nada aconteça.

Existe, ainda, um mito de que canela em pó no corte da haste estimularia uma nova floração. Na verdade, este procedimento apenas impede infecções oportunistas na área do corte, já que a canela possui propriedades antissépticas. A nova floração, contudo, não é garantida.


Política de Privacidade
Política de Cookie
Busca Google
WhatsApp: (11) 9 8104 7797